Caso Daniel Alves: nova vítima acusa o jogador de abuso e relato impressiona

Caso Daniel Alves ganha nova repercussão! Uma amiga de uma das vítimas que sofreu abuso do jogador acaba de prestar um depoimento à Justiça da Espanha e revelou ter sido apalpada violentamente.

Segundo ela, Daniel teria passado a mão em suas partes íntimas, sem sua permissão. Entretanto, ela conseguiu impedi-lo de continuar ao ir embora do local em que estavam logo em seguida.

As informações do jornal espanhol La Vanguardia, o depoimento está coincidindo com a descrição feita pela suposta vítima.

Por enquanto, Daniel Alves está preso, sem direito à fiança, desde o dia 20 de janeiro.

Anúncios

Desabafo da esposa

Preso na Espanha após ser acusado de estupro, o caso aconteceu em dezembro do ano passado. Ainda assim, o atleta segue negando as acusações.

Nos stories do Instagram, Joana Sanz (esposa do jogador), fez um novo esabafo. “Coração, aguenta tanta dor, por favor.”

Antes disso, ela já havia desabafado pedindo privacidade neste momento tão difícil. “Peço, por favor, a todos os meios de comunicação que estão na frente da minha casa, que respeitem minha privacidade nesse momento. Minha mãe morreu há uma semana, ainda estou assimilando que ela não está mais aqui para que vocês me atormentem com a situação do meu marido.”

Transferência de pedido

Preso preventivamente desde o último dia 20 de janeiro, na Espanha, Daniel Alves foi transferido para um presídio de segurança máxima onde estão assassinos e estupradores. Sendo assim, o craque do futebol foi levado para a unidade prisional após dar três versões diferentes sobre a acusação de estupro de uma mulher de 23 anos.

Ele teria cometido o ato na madrugada de 31 de dezembro do último ano. Daniel Alves está no município de Sant Esteve Sesrovires, a pouco mais de 20km de Barcelona. Os criminosos espanhóis chama o local de “El Pozo” (O Poço), mas, em relação aos presídios brasileiros, é quase um palácio… Apesar de aparentemente bem estruturado e bem cuidado, há denúncias de agressões e torturas contra detentos, bem como registros de violência entre os internos e até suicídio.

Daniel está em uma cela individual, onde as autoridades do local observam sua reação e adaptação ao local. Nos próximos dias, o lateral-direito deve ser realocado em um outro cárcere, onde dividirá espaço com outros presos – apenas três ou quatro detentos.

Deixe uma resposta